Terceiro Tempo: Chelsea impressiona na volta do futebol

Os Blues embalam cinco vitórias consecutivas e mostra melhor momento na temporada

Em três partidas após o retorno do futebol na Inglaterra, o Chelsea mostrou aos torcedores sinais animadores tanto para o presente quanto futuro. O time abriu boa distância dos rivais na Premier League e está na semifinal da FA Cup.

Na copa, irá enfrentrar o Manchester United, adversário que os londrinos enfrentaram três vezes na temporada e perderam todas. O duelo está marcado para o dia 18 de julho, em Wembley.

Nesses três últimos jogos, foi possível observar algumas adaptações no sistema tático, bem como mudanças no comportamento do time.

Primeiro Tempo: Kanté primeiro volante e a opção por Giroud

O Aston Villa foi o primeiro desafio dos Blues na retomada do campeonato. Pelo fato de ter sido a primeira partida nesse retorno, a torcida não sabia ao certo qual formação e quais jogadores seriam escolhidos por Frank Lampard.

Quando a escalação foi anunciada, uma dúvida pairava: quem assumiria a função de Jorginho, suspenso por acumulo de cartões amarelos?

Kanté foi escolhido para desempenhar a função de regista: o jogador do primeiro passe nas jogadas ofensivas e responsável por anular as transições dos adversários.

Enfrentando Villa, City e Leicester, o camisa 7 teve performances convincentes. Não apenas mostrou que está na melhor forma física da temporada, como também relembrou aos torcedores de sua versatilidade.

E isso foi motivos de elogios por parte de Lampard:

“Acho que ele tem as características para desempenhar todas as funções, essa é uma das belezas da maneira como ele joga. Ele recupera a bola tão rápido, ajuda na pressão cobrindo diversas partes do campo, e também é muito bom com a bola no pé. Acho que as pessoas subestimam o quão rápido ele a controla e passa.”

Kante em campo pela FA Cup

Polivante, Kanté comprovou como é valioso (Reprodução: Tim Keeton/NMC Pool/PA Wire/PA)

Giroud ganhando oportunidades

Outro ponto interessante dessa partida foi Lamps ter optado por Giroud no lugar de Tammy Abraham. Durante a pausa, o francês teve seu contrato estendido por mais um ano. A renovação mostra como o treinador confia e acredita que ele ainda pode ser importante para o elenco.

Vale ressaltar que Abraham, artilheiro do time na temporada, sofreu uma lesão antes da pandemia e o camisa 18 já vinha sendo o titular.

Apesar de não ter a mesma movimentação e disposição física para pressionar os adversários na defesa, o campeão mundial pela França em 2018 mostrou um pivô de melhor qualidade e pode oferecer melhores opções de passe.

Giroud comemorando gol da vitória

Giroud provou ser importante para o elenco e segue vivo na disputa pela vaga de centroavante (Reprodução: Twitter Chelsea)

Segundo Tempo: Evolução de Lampard

Os Villians optaram por deixar os londrinos controlarem a posse e aproveitar um contra-ataque ou bola parada. A tática de Dean Smith funcionou. Aos 41 minutos, uma falta expôs a confusão da defesa, e Hause ficou livre para abrir o placar. Novamente, ficou claro como o posicionamento em bolas paradas defensivas deve ser melhor treinado. A culpa não foi de Kepa por ter espalmado para o meio, e sim dos demais, que deixaram quatro adversários livres na pequena área.

Naquele momento, faltava ao clube londrino um jogador incisivo, com coragem para enfrentar os defensores, já que o time tocava muito a bola mas não era efetivo.

Pouco antes da metade do segundo tempo, Lampard fez a leitura correta do que estava acontecendo e colocou Pulisic. Em questão de minutos, a equipe parecia outra com ele em campo. O americano fez o gol de empate e depois Giroud selou a vitória.

Pulisic comemorando contra o City

Com dois decisivos nas últimas partidas, Pulisic mudou a cara do Chelsea (Reprodução: Twitter Chelsea)

Lamps aprende com os erros do passado

Mesmo com pouco dias para preparar e estudar o próximo oponente, o técnico em Stamford Bridge organizou uma tática eficaz para enfrentar Guardiola e os Citizens.

Ao contrário do que fez no confronto do turno, quando tentou vencer o duelo da posse de bola, ele deu campo para o City e esperava aproveitar nos contra-ataques. Quando Pulisic aproveitou falha de Mendy e abriu o placar, ficou claro as intenções do ex-camisa 8 para essa partida.

Quem vem acompanhando o trabalho dele como treinador sabe que ele gosta de valorizar a equipe que vence nas rodadas anteriores. Dessa forma, ele colocou em campo o time que virou a partida contra o Villa. Assim, Kovacic e Loftus-Cheek deram lugar para Barkley e Pulisic, respectivamente.

Sem um atacante de ofício, os rivais cercavam a área, mas não conseguiam as infiltrações com os pontas. Quando chegavam perto da área, paravam quase sempre em Rudiger e Christensen. O dinamarquês ganhou todos seus duelos, recuperou cinco vezes a posse e quase marcou seu primeiro gol.

Lampard e Guardiola na beira do gramado

No duelo tático, Lampard se deu melhor contra Guardiola (Reprodução: Twitter Chelsea)

Na segunda etapa, o City pressionou ainda mais e chegou ao empate após bela cobrança de falta de Kevin De Bruyne. Quando o momento era dos rivais, Lamps colocou Abraham e adiantou as linhas. Com isso, o Chelsea se tornou mais perigoso e retomou a liderança depois de Willian converter a penalidade.

Motivação é tudo

Mesmo após superar um adversário superior, havia pela frente o Leicester na FA Cup. Ao longo da temporada, a equipe de Brendan Rodgers mostrou muita organização e solidez defensiva.

Este seria o terceiro jogo em dez dias. Por isso foi escalada uma equipe com alguns titulares e reservas, para preservar o elenco.

Como era de se esperar, o time não conseguiu dar sequência ao padrão que vinha impondo. Faltava ímpeto aos Blues, que não ameaçavam os Foxes.

Percebendo a falta de vontade dos atletas em campo, Lampard deu uma dura nos jogadores no intervalo. As palavras dele tiveram efeito principalmente em Ross Barkley, que entrou e fez o gol classificatório.

O camisa 8 revelou o que o treinador disse após o jogo:

“Ele disse que a nossa atuação no primeiro tempo não foi boa o suficiente para o que se espera do Chelsea. Precisávamos ser mais vocais e mudar a atitude.”

Terceiro Tempo: Próximos passos

A maratona de jogos está longe de acabar. Na próxima semana, entraremos em campo três vezes. O lado positivo é que todos os adversários (West Ham, Watford e Crystal Palace) estão na parte de baixo da tabela e não vem apresentando um bom futebol.

No entanto, o cansaço deve começar a ser cada vez mais notado nas partidas dos Blues. Rivais como Arsenal e Manchester City estão sentindo como esse período pode ser cruel com os jogadores.

Além disso, Lampard deverá cada vez menos repetir escalações entre jogos, algo que ele preza muito. Mesmo assim, o clube de Abramovich é uma das equipes que apresentou mais aspectos positivos nessa volta do futebol. Além disso, possui um dos elencos com mais opções na Premier League.

Caso consiga resultados positivos nessa próxima sequência, Frank poderá poupar no Campeonato Inglês e preservar seus jogadores titulares para o duelo contra o United.

Jogadores do United comemorando

Dos times do chamado Big Six, Lampard ainda não venceu o United (Reprodução: BR Football)

Rafael Marson

Jornalista em formação pela Faculdade Cásper Líbero. Sem o futebol, não há motivos para viver. Fã incondicional de Drogba e Hazard. #GoBlues