Terceiro tempo: as chances do Chelsea e de Maurizio Sarri

Falar de Chelsea essa temporada tem sido falar de briga pela Champions League, esquema de jogo de Maurizio Sarri, renovação ou não de Hazard e Odoi e punição da FIFA. A temporada já está chegando ao fim, e nada mudou. Esses continuam sendo as pautas do clube, e parece que a definição só virá ao final dessa jornada.

A boa notícia, é que existe um cenário bem possível, no qual o saldo do ano seria positivo. Dois pontos que podem deixar o cenário favorável ao time e, por que não, a Maurizio Sarri, para iniciar muito bem a próxima temporada. Vamos a eles:

Boa colocação na Premier League

O Chelsea é o atual 4º colocado do campeonato inglês. Mesmo depois de uma irregularidade enorme. Depois do bom inicio, o time não conseguiu mais emplacar uma sequência com pelo menos três vitórias seguidas, e isso fez com que a missão de chegar à UEFA Champions League através dos pontos corridos fosse muito complicada.

O Big Six sempre disputa essas quatro vagas para o torneio continental, e com Manchester City e Liverpool fazendo campanhas históricas, sobram duas vagas para Chelsea, Tottenham, Manchester United e Arsenal.

Essa disputa, ponto a ponto, aconteceu durante todo o campeonato, e só será definida mesmo após a última rodada. Acontece que, não é só o Chelsea que tropeça. Principalmente nessa reta final, na qual os clubes deveriam somar todos os pontos possíveis para garantir seu lugar, derrotas e empates contra times da parte de baixo da tabela estão sendo comuns, e rendendo até piadas na internet, brincando que todos estão parados nessa “corrida”.

Bom para o Chelsea, que se segura na quarta colocação e depende apenas de si para se classificar para a Champions League, podendo inclusive, no cenário mais favorável, ultrapassar o Tottenham e ficar em terceiro lugar, atrás apenas dos dois clubes que praticamente não perderam no campeonato.

O Chelsea ainda briga por vaga no G4 da Premier League (Foto: Getty Images)

A última partida do Chelsea foi um empate fora de casa contra o Manchester United. Foi um resultado muito bom, dadas as circunstâncias. Uma derrota faria com que os Red Devils igualassem o número de pontos dos Blues na tabela, e deixaria o clima desfavorável para o time de azul, causando o efeito inverso no lado vermelho.

O empate ilustrou a campanha tanto de Chelsea como do Manchester United. Dois times que tiveram seus momentos na temporada, mas que pecam demais pela irregularidade. O United abriu o placar com uma boa jogada, mas depois sofreu um gol gerado por uma falha individual de um de seus melhores jogadores, o goleiro De Gea.

O empate acabou sendo positivo na rodada, Arsenal e Tottenham foram derrotados, e esse ponto fora de casa contra um adversário direto acabou sendo lucrativo.

Hora da previsão e da matemática, abaixo estarão os jogos restantes de cada uma das equipes que brigam pelas vagas, com o número de pontos e o saldo de gols de cada uma delas:

3º TOTTENHAM

  • 70 pontos
  • 29 gols de saldo
  • Bournemouth FORA
  • Everton CASA

4º CHELSEA

  • 68 pontos
  • 21 gols de saldo
  • Watford CASA
  • Leicester FORA

5º ARSENAL

  • 66 pontos
  • 20 gols de saldo
  • Brighton CASA
  • Burnley FORA

6º MANCHESTER UNITED

  • 65 pontos
  • 13 gols de saldo
  • Huddersfield FORA
  • Cardiff CASA

Um título que seria divisor de águas na carreira de Sarri

O título da Europa League é irrelevante? Existem pessoas que acham que para um clube do tamanho do Chelsea, é sim. Para outros não. Difícil saber a opinião de cada pessoa. Mas uma pessoa que com certeza adoraria vencer o torneio é  Maurizio Sarri. O treinador italiano não tem títulos na carreira, e seria uma conquista enorme para o contestado técnico, em seu primeiro ano, tentando implementar sua filosofia em um gigante inglês, que costuma ser impaciente com seus professores.

O Chelsea se classificou para a Semifinal, vai enfrentar o Eintracht Frankfurt, boa equipe alemã que conta com um atacante em ótima fase. O atacante sérvio Luka Jovic é um jovem goleador emprestado pelo Benfica, mas já é cobiçado por grandes equipes europeias. Há quem diga inclusive, que seria uma boa aposta para os Blues, que vem sofrendo com as opções de ataque desde a saída de Diego Costa.

Sarri pode conquistar o primeiro título da carreira com o Chelsea (Foto: REUTERS)

Caso passe para a Final, o Chelsea viajaria até o Azerbaijão, para enfrentar o vencedor de Arsenal e Valência, no dia 29 de maio. Jogo único para definir o campeão.

Além da vaga para a UEFA Champions League, o título seria uma opção de terminar a temporada de uma forma positiva, principalmente se a vitória for contra o Arsenal na final.

O treinador Maurizio Sarri se livraria de uma sina que deve incomodar e ganharia confiança para trabalhar a equipe na próxima temporada. Resta saber se seria com ou sem contratações, com ou sem Eden Hazard.

Trabalho de duas temporadas?

Uma reflexão para o torcedor: um 3º lugar na Premier League, atrás apenas de Manchester City e Liverpool e um título de Europa League, a competição europeia que o Chelsea disputava nessa temporada, são suficientes para a permanência do treinador?

Se você respondeu sim, me responda agora o porquê de tanto questionamento em cima de Sarri.

Se a resposta foi não, gostaria de entender o que seria necessário ter como resultado para que ele permanecesse.

As duas respostas são possíveis, isso acontece pois Sarri não é unanimidade no comando dos Blues.

A verdade é que, dificilmente um treinador será unânime em qualquer time de futebol. No Chelsea, isso é historicamente impossível, pelo menos desde a chegada de Roman Abramovich.

Muita coisa mudou e
ainda pode mudar sob o comando do técnico italiano (Foto: REUTERS)

Quando se contrata um treinador que tem uma filosofia clara de jogo, como é o caso de Maurizio Sarri, é fundamental que se dê tempo de trabalho para que ele consiga implementá-la. E o Chelsea fez essa aposta no início da temporada.

Entra então a questão, mas quanto tempo de trabalho? O próprio treinador disse que precisava de três meses para o time começar a ganhar a forma que ele espera. O time ainda não pratica aquele futebol do “Napoli de Sarri” da temporada passada, que foi o motivo da contratação do italiano.  Compensa dar mais uma temporada de implementação de filosofia nos Blues? São necessárias algumas contratações de jogadores com as características que o técnico precisa? Difícil responder, e é por isso que o Chelsea tem profissionais com o objetivo de fazer essa avaliação.

Os torcedores conseguem ver a mudança claramente. O esquema é o 4-3-3, com Jorginho na função de regista, responsável pelos passes e aceleração do jogo desde a saída de bola. No início funcionou perfeitamente, o problema foi que os adversários aprenderam a jogar contra o time, que nem havia aprendido completamente o conceito do treinador. E ai vieram derrotas pesadas. O que irritou boa parte da torcida foi um dilema vivido por Sarri, mudar o esquema ou insistir nele até os jogadores aprenderem? E foi ai que o Chelsea sofreu mais, com derrotas expressivas, mas que deixaram alguns bons frutos.

Depois de um período de pesadelos, o treinador mostrou que estava aberto para adaptações. Fez mudanças táticas que não costumava fazer  durante os jogos, como abrir mão de Jorginho para tornar o time mais ofensivo e dar mais tempo de jogo para Hudson-Odoi. Por outro lado, existem algumas reclamações por parte de torcedores, causadas por algumas escolhas de Sarri, como o uso de N’Golo Kanté, que era o melhor do mundo em sua função, que foi modificada nessa temporada pelo italiano.

Enfim, pode ser que depois de “teimosias”, mudanças e reviravoltas, o Chelsea acabe se classificando para a Champions League, e a missão seja cumprida. Resta saber se, para a diretoria, “os fins justificam os meios” e Sarri tenha uma nova chance de seguir trabalhando em Londres.

Victor Rosa

Curso jornalismo e carrego o sonho de trabalhar acompanhando futebol todos os dias da minha vida. #GoBlues #KTBFFH