Especial: Avaliação da temporada 2016/17

E tudo começou com a contratação de um técnico vitorioso, conhecido por colocar toda a sua emoção e paixão nas comemorações à beira do campo. Antonio Conte se apresentou no Chelsea no dia 14 de julho de 2016 e foi um dos responsáveis por transformar o time, que chegava de uma temporada abaixo das expectativas, terminou na décima colocação na Premier League 2015/16 e não se classificou para competições europeias.

Na preparação para os campeonatos da Inglaterra, alguns jogadores foram reintegrados no elenco, como o ala, Victor Moses e contratações importantes como o volante e campeão da Premier League com o Leicester City, N’Golo Kanté, o lateral (ala) esquerdo, Marcos Alonso e o atacante, Michy Batshuayi.

Conte é apresentado no Chelsea (Foto: Getty Images)

A primeira partida oficial disputada com o novo treinador foi a estréia na Premier League contra o West Ham e Stamford Bridge, os Blues venceram por 2 a 1 com direito à uma comemoração explosiva de Conte no último gol do Chelsea e no apito final.

Conte comemora com torcedor (Foto: Getty Images)

Foi a vez da volta de um importante jogador para a temporada do Chelsea, o zagueiro, David Luiz, retornou ao clube em que foi campeão da UEFA Champions League.

David Luiz é apresentado no Chelsea (Foto: Chelsea FC)

O momento em que o “jogo virou” para os azuis de Londres

O sistema defensivo utilizado por Conte nas primeiras partidas (4-3-3) foi alterado depois de ser goleado no Emirates Stadium pelo rival, Arsenal. Três a zero para cima dos Blues. 

Diego Costa na derrota por goleada para o Arsenal (Foto: Shaun Botterill/Getty Images)

E da segunda derrota no Campeonato Inglês, a formação do time foi alterada para o (3-4-3), que permitiu ao time uma maior solidez defensiva e a mesma liberdade para os três homens de frente: Eden Hazard, Pedro e Diego Costa. Uma goleada e uma péssima atuação para os Gunners foi grave o bastante para uma reformulação na forma de jogar do time. César Azpilicueta foi deslocado da lateral para a zaga e permaneceu junto à Gary Cahill (capitão da equipe nas partidas após lesão de ausência de John Terry) e David Luiz.

Com esta mudança, o time azul conquistou três vitórias seguidas, contra o Hull City, Leicester City e Manchester United. Contra os Red Devils, na volta do técnico, José Mourinho à Stamford Bridge,  uma goleada de quatro a zero e uma atuação digna de aplausos, a equipe comandado por Conte foi superior em todos os aspectos e “engoliu” um favorito ao título.

Eliminação da Copa da Liga Inglesa

A sequência de jogos ganhos (neste período da temporada) só foi interrompido por uma eliminação precoce em outra competição, a Copa Capital One. Contra o West Ham, Antonio Conte escalou um time mesclado entre titulares e reservas, alterou esta estratégia no final e foi clara a recuperação de desempenho, mas era tarde, os Hammers levaram a classificação e uma vitória por dois a um. O time enfrentou uma eliminação ainda nas oitavas de final.

De volta ao Campeonato Inglês

Mas na Premier League, o principal campeonato da “Terra da Rainha”, também se tornava o principal alvo do Chelsea. Iniciado a com as três vitórias citadas acima, o time emplacou uma sequência impressionante de 13 vitórias consecutivas e igualou o recorde do Arsenal. Destaque para três partidas em específico, contra grandes times (que terminaram o campeonato na parte de cima da tabela e dois classificados para a UEFA Champions League), são eles: Everton, Tottenham Hotspur e Manchester City.

Contra o Everton, uma goleada de cinco a zero com direito a uma grande atuação de todo o time. Depois, duas incríveis viradas: recebeu os Spurs, mais uma para a conta, dois a um com gol Pedro, em um momento delicado da partida e outro de Victor Moses aos 51 minutos para finalizar. Contra o City, um dos times considerados “favoritos” no início da temporada pela contratação de grandes nomes no cenário internacional do futebol (até nacional, como o atacante, Gabriel Jesus) e a chegada do treinador, Pep Guardiola. Mesmo saindo atrás no placar, com gol contra de Cahill, o time se recuperou com contra-ataques rápidos e chutes certeiros, Diego Costa, Eden Hazard e Willian viraram o que foi uma das melhores e mais emocionantes partidas de toda a temporada.

David Luiz e Willian homenageiam vítimas da tragédia envolvendo a delegação da Chapecoense e jornalistas (Foto: AFP/Getty Images)

Na sequência de vitórias, o time venceu consecutivamente: Hull City, Leicester City, Manchester United, Southampton, Everton, Middlesbrough, Tottenham Hotspur, Manchester City, West Bromwich Albion, Sunderland, Crystal Palace, Bournemouth e Stoke City.

E só parou na derrota para os Spurs, mas nada grave, já que o Chelsea manteve a regularidade até o final da Premier League. É claro que houve pressão do vice, Tottenham, que fez um final de temporada memorável, venceu muitas partidas com goleada e grandes atuações, mas mesmo com alguns tropeços, como o empate fora de casa contra o Liverpool, o líder teve a chance de vencer, mas uma cobrança de pênalti que não foi concluída em gol impediu a conquista dos três pontos. Uma derrota para o Crystal Palace, que crescia na reta final do campeonato também atrapalhou. O último resultado ruim nesta competição foi uma derrota em Old Trafford para o United, na 33ª rodada. Mesmo com esses “deslizes” o time se manteve focado e o grande título se encaminhava de volta para o lado azul de Londres.

Passou por mais duas vitórias até chegar no jogo mais importante no quesito: decisão. O jogo do título.

Partida difícil, herói improvável e a conquista da Premier League 2016/17

Batshuayi marca o gol do título inglês do Chelsea (Foto: Carl Recine/Reuters)

Mais uma sequência de vitórias, contra Southampton, Everton, Middlesbrough e Watford (partida adiada e que teve direito à último gol de John Terry pelo time de Stamford Bridge). Faltava apenas uma vitória, e ela veio contra o West Bromwich Albion, no The Hawthorns. A torcida gritava e cantava canções do Chelsea e o time se doou dentro de campo. Até que Michy Batshuayi entrou e nos 83 minutos, o tão sonhado gol apareceu.

Cahill tentou um chute de fora da área, mas a bola foi para o lado direito, longe do gol. Azpilicueta se apresentou e tocou rasteiro para o camisa 23 escrever seu nome na história do Chelsea.

Despedida do capitão

Terry em discurso na sua última partida pelo Chelsea em Stamford Brige (Foto: Reuters/Eddie Keogh)

A última partida da Premier League, campeão contra último colocado e rebaixado. O Chelsea enfrentou o Sunderland, e em uma grande apresentação, com placar final de cinco a um, o capitão, John Terry, se despediu do time. Foi substituído aos 26 minutos, número marcado por ser utilizado em sua camisa.

Campanha na FA Cup

Pela FA Cup, o time iniciou uma bela campanha em partida contra o Peterborough, quatro a um. Depois, Bretford, quatro a zero. Wolves, por dois a zero. Já nas quartas de final, um a zero para cima do Manchester United, classificação na mão com gol de N’Golo Kanté, que já havia marcado um belo gol contra os vermelhos de Manchester nesta temporada.

A semifinal foi contra o Tottenham, Os Blues saíram na frente com Willian, mas Harry Kane e Dele Alli igualaram o placar. No segundo tempo, Eden Hazard e Diego Costa entraram em campo e a partida mudou. O camisa 10 colocou o Chelsea novamente na frente e depois Nemanja Matic acertou um chute incrível, que bateu no travessão e depois entrou.

Jogadores comemoram gol contra o Tottenham (Foto: AFP)

A grande final da FA Cup

O Chelsea enfrentou o Arsenal na final da Copa da Inglaterra, mas o resultado não foi positivo para o campeão inglês. Os Gunners sairam na frente com um gol de Alexis Sanchez, aos cinco minutos, que foi desenhado após uma jogada irregular, já que o atacante chileno colocou a mão na bola. Independentemente do acontecido, os Blues não fizeram bom primeiro tempo e foram inferiores ao time comandado por Arsene Wenger. Na etapa complementar, Victor Moses, que já havia recebido cartão amarelo, foi expulso por levar o segundo ao tentar simular um pênalti.

O time azul ainda empatou com gol de Diego Costa, mas um minuto depois, o Arsenal aproveitou a superioridade numérica e a falta de um homem na ala direita e com assistência de Olivier Giroud, Ramsey cabeceou e garantiu o título. A derrota para o rival foi dolorida, mas não pode apagar a ótima campanha do time nas duas competições.

Tabela, números e premiações ao elenco na Premier League

Tabela final da Premier League (Foto: Divulgação/Premier League)
  • O Chelsea conquistou o título com 30 vitórias em 38 rodadas;
  • Perdeu cinco partidas;
  • Empatou em três partidas.
Artilheiros do campeonato (Foto: Divulgação/Premier League)
  • Diego Costa foi o artilheiro do Chelsea na temporada e o quarto maior goleador desta edição da Premier League.
Kanté com o prêmio de melhor jogador da temporada (Foto: PA: Press Association)
  • O volante, N’Golo Kanté venceu o prêmio de Melhor Jogador da Temporada na Inglaterra pela Professional Footballer’s Association – PFA (Associação dos Jogadores da Inglaterra);
  • Também conquistou o prêmio pela  Football Writers’ Association – FWA (Associação dos Jornalistas de Futebol da Inglaterra).
Courtois com o prêmio de Golden Glove (Divulgação/Premier League)
  • Thibaut Courtois venceu o prêmio Golden Glove, por ter conquistado 16 Clean Sheets durante o campeonato.
(Foto: Divulgação/Premier League)
  • Antonio Conte foi eleito o Treinador da Temporada da Premier League.
Elenco do Chelsea comemora o título do Campeonato Inglês (Foto: Divulgação/Premier League)

Category: Conteúdos Especiais

Tags: