Courtois acompanhando o confronto (Foto: Rafael França/Chelsea Brasil)

Um Maracanã em meio a Bélgica e Rússia

Courtois acompanhando o confronto (Foto: Rafael França/Chelsea Brasil)
Courtois acompanhando o confronto (Foto: Rafael França/Chelsea Brasil)

Um belo domingo de sol e um Bélgica e Russia a caminho dos cariocas no templo do futebol, o Maracanã. No trajeto, os costumeiros estrangeiros e suas peculiaridades. Desta vez, nada de quimonos e sul-americanos. Ao redor do Maracanã era possível encontrar diversas camisas da Bélgica e do Chelsea. Em comum? O nome escrito atrás delas: EDEN HAZARD.

Adentramos ao recinto, nos preparamos para a partida e sentamos em nossos assentos. Na minha frente, o goleiro COURTOIS e a linha de defesa da ÓTIMA geração belga. Apito inicial dado e bola em jogo para o que prometia ser um excelente jogo entre a ÓTIMA geração belga e os comandados de Fábio Capello. Tempo vai, tempo vem e o placar seguia em branco e sem emoção alguma. O destaque? A arquibancada da Ala Sul do Maracanã. Com russos de um lado e belgas de outro, um pequeno grupo puxava tradicionais cânticos brasileiros. No campo, a fraca atuação de ambos os times já torrava a paciência dos mais de 70 mil presentes naquele começo de tarde no Rio de Janeiro. Ao final da primeira etapa, vaias e mais vaias botaram para funcionar a ACÚSTICA do estádio mais simbólico do país.

No intervalo, filas e mais filas para a tradicional compra de CERVEJA na Copa do Mundo da FIFA Brasil 2014. Voltamos à nossa cadeira sem a certeza de que teríamos um bom jogo, mas com a realidade de que o SOL não TORRARIA mais as pessoas em grande parte do Maracanã.

Chegávamos aos 57 minutos quando Lukaku foi substituído por Origi, o NEGUEBA belga. Apelido concedido por quem vos escreve. Desde a sua entrada, confesso que não tive paciência e já cornetei o jovem Negueba em seus primeiros minutos na partida. A entrada de Mirallas também ajudou a mudar o panorama da partida, apesar do 0 a 0 persistir. A cobrança de falta que vocês podem ver a seguir, aos 83 minutos, dava o tom que o gol estava próximo.

Paralelo a isso, a grande torcida brasileira entoou de maneira singela e bela o canto TIME SEM VERGONHA, melhor momento da partida, cá entre nós. Quando parecia que o 0 a 0 não sofreria alteração, o craque e novo camisa 10 dos Blues, EDEN HAZARD, fez grande jogada e tocou para Origi, vulgo NEGUEBA belga marcar o único gol da peleja.

Apesar do gol, nem a ÓTIMA geração belga salvou esta fraca partida. Em meio a dois times aplicados, porém ineficientes, o gigante Maracanã foi o grande destaque de mais um domingo de futebol em terras cariocas.

As palavras contidas nessa reportagem condizem à opinião do autor, não tendo qualquer relação com o Chelsea Brasil.

Compartilhe

Comments

Category: Crônicas

Tags: