Chelsea na EPL: Indefinições ainda rondam o ataque, que precisa melhorar seu rendimento

O Chelsea Brasil está fazendo uma série de textos especiais que antecedem o início da nova temporada da Premier League. O quarto é sobre os atacantes. A cada dia um texto sobre o time londrino, jogadores do elenco e considerações sobre as melhores possibilidades para deixar o elenco dos Blues, ainda mais forte.

Um grande time de futebol necessariamente passa por um ataque respeitável, com grandes jogadores e que, acima de tudo, consiga fazer gols e mais gols. Nessa posição, o torcedor do Chelsea ficou mal-acostumado, no melhor sentido da palavra, pois tiveram ninguém menos que Didier Drogba no comando do ataque por quase uma década. Nesse período, o marfinense se tornou o maior ídolo da história dos Blues segundo enquete dos próprios torcedores, conquistou o maior troféu dos 111 anos de história do clube e se tornou o quarto maior artilheiro do Chelsea.

Ele saiu, voltou e se despediu novamente. Desde 2012, o Chelsea passa por instabilidades na posição. Porém, em 2014, parecia ter encontrado uma solução com Diego Costa, mas com início conturbado na última temporada, muitas dúvidas são colocadas no atacante hispano-brasileiro para a próxima temporada.

Falta de gols foi problema temporada passada (Foto: Getty Images)
Falta de gols foi problema temporada passada (Foto: Getty Images)

Como já foi constantemente dito, todo time do Chelsea esteve abaixo de seu rendimento normal e natural, mas os atacantes sofreram muito. Por essa instabilidade, existem muitas dúvidas ainda sobre quais serão os atacantes do clube para a próxima temporada. Com algumas semanas restantes da janela de transferência, muitos rumores são relacionados sobre saída e chegada de jogadores do setor. No momento, a única certeza é uma: Michy Batshuayi, contratado nessa janela junto ao Olimpique Marseille, da França, por £32 milhões.

Atualmente, o elenco do Chelsea possui de atacantes Diego Costa, Batshuayi, Loic Rémy como as referências. E tem os jogadores que podem atuar pelos lados e serem bastante ofensivos, como Pedro, Kenedy, Bertrand Traoré e Victor Moses, que participou da pré-temporada e volta de empréstimo junto aos Hammers. Durante a primeira metade da temporada 2015/2016, os jogadores de ataque do Chelsea fizeram apenas oito gols com Diego (cinco), Pedro (dois) e Remy (um). Um rendimento que deixava o Chelsea com um dos piores ataques da Premier League e apenas há uma posição acima da zona de rebaixamento até Janeiro de 2016. Com a saída de José Mourinho e a chegada de Guus Hiddink, houve uma melhora na quantidade de gols marcados, mas a dúvida para a atual temporada ainda persiste.

As opções e variações são muitas, se você pudesse fazer uma aposta de futebol na bet365, qual seria a sua dupla de ataque?

 

Rumores

Desde então, a mídia europeia vem trabalhando com diversos rumores em mudanças no elenco do Chelsea para a posição. Muitos dão como certa a saída de Rémy do clube, enquanto Alvaro Morata era fortemente especulado. Esses rumores parecem ter perdido forças durante as semanas, enquanto outra ganhava cada vez mais tons de realidade: a chegada de Romelu Lukaku e que coincidiria com a saída de Diego Costa do clube.

Alguns tabloides chegam a creditar que Rémy seria usado para “amenizar” os £70 milhões pedidos pelo Everton pelo jogador que já foi do Chelsea por duas temporadas, até 2014. Uma contratação que só reforçaria o que muitos pensam da mentalidade da diretoria dos Blues nos últimos anos: ter jogadores jovens e de potencial, não aproveitarem e vê-los brilharem em outros clubes. Só que dessa vez, o Chelsea estaria interessado em trazê-lo de volta, em caso semelhante com de Nemanja Matic, em 2014.

Leia Mais: Daily Mail: Chelsea quer incluir Rémy em negociação por Lukaku

Caso Lukaku retorne aos Blues, a tendência é que Diego Costa deixe o clube. O Atlético de Madrid já deixou claro que pretende repatriar o atacante que fez sucesso na primeira campanha do vice-campeonato europeu em 2014. Em sua primeira temporada, Diego fez 20 gols na Premier League, uma marca impressionante e foi um dos pilares na conquista sem questionamentos da competição em 2014/15. Mesmo com o início ruim de temporada passada, Diego teve uma melhora com Hiddink e marcou sete gols na metade final da competição. Ainda assim, conseguiu ser o artilheiro do Chelsea no ano com 19 gols, em todas as competições.

A base

A categoria de base do Chelsea vem conseguindo resultados fantásticos nos últimos anos, como o bicampeonato da UEFA Youth League. Desses times, alguns jogadores já tiveram poucos minutos no time principal e são vistos como grandes esperanças pro futuro do clube. Sem cometer o mesmo erro de falta de paciência, o Chelsea tem tudo para substituir contratações estratosféricas por trazer jogadores da base. E no ataque o mesmo pode ser feito.

Dominic Solanke e Patric Bamford são nomes que a torcida tem bastante esperança, assim como o próprio Bertrand Traore, que teve mais oportunidades que os dois no time principal. Ambos passaram por empréstimos na última temporada: Solanke esteve no Vitesse, da Holanda, e Bamford jogou por Crystal Palace e Norwich. Solanke apresentou mais sucesso, atuou por 22 partidas no campeonato holandês e marcou sete gols, com apenas 18 anos. Já foi eleito melhor jogador inglês jovem e constantemente chamado para a seleção sub-21 da Inglaterra. Já Bamford atuou por nove partidas sem muito sucesso.

Sem contratos de empréstimos, os dois não viajaram com o Chelsea para a pré-temporada e espera-se que sejam novamente emprestados. Assim como Tammy Abraham, outro destaque da base do Chelsea. Abraham chegou a viajar para os Estados Unidos com a equipe, mas acabou sendo emprestado para o Bristol City para a próxima temporada.

Fator Conte

Conte-665x432
Conte promete mudar a variação de jogo dos ingleses (Reprodução)

Com a chegada de Antonio Conte ao comando do Chelsea, muito se falou de uma mudança tática na equipe e jogar em uma formação tática que contaria com dois atacantes centrais e dois abertos pelos lados, uma espécia de 4-2-4. Durante a pré-temporada pode-se ver essa formação e o toque do novo treinador na equipe, apesar de que essas partidas não devem ser muito levadas a sério.

Caso Conte opte por essa formação, as opções para o ataque do Chelsea crescem bastante. Pelas pontas, muitos jogadores podem ser utilizados, tanto meias como os atacantes. Pedro, Kenedy, Moses e até Traore podem competir por essas duas vagas com Eden Hazard, Willian, Oscar, entre outros.

Nas posições centrais, as opções também podem ser bastante variadas, mas ainda não há nenhuma definição concreta devido aos rumores de transferência. Mas a princípio, para primeira partida contra o West Ham, Diego Costa deverá formar a dupla de ataque com Batshuayi. Porém, Conte pode variar durante a temporada. Caso continuem no clube, Diego e Remy podem fazer essa dupla. Ou até então uma hipotética e quase impossível combinação de Diego e Lukaku. Traoré e Hazard também podem ser opções para complementar o ataque.

Quem pode surpreender

Muito se fala dos grandes jogadores do ataque do Chelsea, como Diego Costa, Hazard. Por causa dessa preocupação com os jogadores mais conhecidos, algumas surpresas podem sair desse elenco, como Batshuayi e Traoré.

Batshuayi pode surpreender em sua estreia (Foto: Chelsea FC)
Batshuayi pode surpreender em sua estreia (Foto: Chelsea FC)

Batshuayi teve uma temporada impressionante no futebol francês. Participou de mais da metade dos gols do Olimpique Marseille na temporada e anotou 22 gols no campeonato francês. Sua primeira temporada na Inglaterra pode ser prejudicada por não ter o ritmo que o futebol inglês necessita, mas é um atelta de pontencial e pode ser um jogador que vá surpreender a todos e ser um dos destaques da equipe da Premier League.

Traoré viveu um pouco do fator surpresa já na última temporada. Esteve em campo por mais minutos com Guus Hiddink e pode conquistar mais com Antonio Conte. Um jogador que tende a evoluir e pode ser uma chave importante nesse Chelsea em transição.

O que esperar

Com as incertezas já ditas, o torcedor ainda não tem a certeza de que jogador será o responsável pelos gols da equipe na temporada, mas ele deveria se manter esperançoso. A temporada passada foi atípica e não deve se repetir.

Seja um único atacante, uma dupla ou até um quarteto, o poderio ofensivo do Chelsea será grande, o clube voltará a ser o grande time que sempre foi. As novas táticas de Conte podem demorar um pouco pra se encontrarem, mas o ataque do Chelsea vem forte para a próxima temporada, assim como todo o time.

Veja também as outras partes do nosso Guia: Chelsea na EPL: Guia da temporada 2016/17

Comments

Category: Conteúdos Especiais

Tags: