Veredito de Mourinho: “Vitória merecida”

José Mourinho e David Moyes trocam cumprimentos em Stamford Bridge (Foto: Reprodução/Chelsea FC)

Com um hat-trick, Samuel Eto’o liderou o Chelsea hoje na vitória por 3 a 1 sobre o Manchester United em Stamford Bridge. Eto’o, que marcou o gol da vitória contra o Liverpool no mês passado, mais uma vez foi o herói dos Blues. Desta vez, o camaronês foi o dono do jogo, marcando três gols.

O United, que teve Nemanja Vidic expulso após entrada dura em Eden Hazard, até conseguiu diminuir no final com Javier Hernández, mas naquela altura do jogo o Chelsea já tinha feito um estrago grande no placar.

Na ocasião, José Mourinho celebrou sua centésima vitória como treinador do Chelsea na Premier League, além de manter seu recorde de invencibilidade em casa na competição.

No entanto, o mais importante a se destacar, é o fato da vitória manter o Chelsea em terceiro, estando dois pontos atrás do líder Arsenal e apenas um atrás do Manchester City, segundo colocado.

Mourinho se disse muito desapontado com o princípio de jogo do time, mas ficou extremamente satisfeito com o desempenho exibido pela equipe no decorrer da partida.

“Estou muito contente pelos três pontos, claro. Mas fico ainda mais feliz quando um dos meus jogadores se torna o grande destaque da partida; e foi isso o que aconteceu com Samuel hoje. Ele esteve fantástico!” disse o treinador português.

“Eu acho que fomos merecedores da vitória, mas nós não estávamos merecendo a vantagem por 2 a 0 no intervalo, assim como o United não merecia estar perdendo por 2 a 0 naquela altura. Eles começaram o jogo melhores do que nós, mas tiveram o azar de tomar o primeiro gol. Depois daquilo, nós passamos a ter mais controle do jogo e quando marcamos o segundo estávamos em grande forma no jogo. O terceiro gol praticamente matou o jogo, mas ainda assim eles vieram pra cima de nós”, completou.

O Special One ainda falou sobre as mudanças feitas por David Moyes no decorrer do jogo e sobre como o Chelsea lidou com a pressão do Manchester United tendo a missão de garantir a vantagem no placar:

“David fez algumas mudanças para tentar encostar no marcador. Quando eles diminuíram, eu senti meu time cansado. Nós temos um time que corre bastante e pressiona bastante o adversário dentro de campo. Nossos jogadores de ataque tinham grandes distâncias para percorrer, o United vinha cada vez com mais perigo pra dentro da nossa defesa; então quando o jogo estava 3 a 1 nós decidimos tomar o controle do jogo e mantermos o resultado. Deve ter sido bastante difícil pra eles jogarem os primeiros 20 ou 25 primeiros minutos tão bem e acabarem derrotados.”

O treinador português aproveitou também para explicar porque ele disse que sentiu o time um pouco atordoado, principalmente no início da partida:

“Nós perdemos muitas bolas no começo do jogo. O United colocou muita pressão sobre a gente. Willian, Hazard e Oscar perderam muitas bolas em situações que geralmente eles lidam bem com a pressão. Por conta disso, o adversário se sentiu muito confiante no jogo. Mas a coisa boa é que nós somos um time que sabemos identificar o momento em que estamos melhor na partida; e é aí que nós tentamos matar o jogo. Nos primeiros 20 minutos eles até estiveram melhor, mas nós estávamos mais compactos e jogando mais coletivamente. Normalmente, nós precisamos de cinco ou seis chances para marcar o gol, mas hoje: primeiro chute, primeiro gol. Segundo chute, segundo gol.”

Mourinho também falou sobre a escolha de começar a partida com Eto’o ao invés de Fernando Torres:

“Fernando é sempre um jogador muito perigoso, principalmente quando tem espaço para jogar, mas eu sabia que o Manchester United não me daria muitos espaços no campo defensivo; eles vieram com a proposta de serem compactos. Eu estava esperando por Fletcher e não por Jones, mas é basicamente a mesma coisa. Eu penso que Samuel é um jogador com mais recursos técnicos e que trabalha melhor em pequenos espaços, diferentemente de Fernando. Foi uma decisão bastante difícil de tomar, pois Fernando está marcando muitos gols, mas eu estava sentindo que, para este jogo, Samuel se adaptaria melhor.”

Por fim, o treinador procurou minimizar a importância da centésima vitória como recorde:

“Significa apenas que vencemos hoje. Eu não me importo com recordes, eu quero sempre é vencer o próximo jogo. É uma coincidência que a centésima vitória tenha sido justamente contra o Manchester United, uma vez que a primeira também foi contra eles. O antigo detentor do recorde era um técnico deles também, então, é outra coincidência; mas o que realmente importa é que essas 100 vitórias deram 300 pontos ao Chelsea.”

Javier Freitas