metro

Torcedores do Chelsea receberão atenção especial em Paris para evitar novas tensões

Incidente no metrô ganhou repercussão mundial ( Foto: Getty Images)

Grupos anti -racistas e anti- vandalismo franceses alertaram que devem ser tomadas medidas para evitar tensões em Paris.  Os fãs do Chelsea irão para Paris para o próximo jogo da Liga dos Campeões, um ano após um incidente racista no metro de Paris.

O Chelsea jogará contra o Paris Saint- Germain na capital francesa. Há um ano quase, o confronto entre as duas equipes, em solo francês, foi marcado por um episódio lamentável de alguns torcedores do Chelsea, que foram filmados empurrando um viajante negro para fora do metro de Paris, cantando: “Somos racista, somos racista, e é dessa maneira que nós somos”.

O grupo antirracismo SOS Racismo e a Sportitude caridade, temendo novos episódios, como o do ano passado, sugeriram que um comitê de boas-vindas seja posto em prática para cumprimentar os fãs do Chelsea. A ideia é colocar um banner na estação Gare du Nord com o lema “Vamos Partilhar o jogo”. Eles também propuseram a realização de uma campanha publicitária sobre as linhas de metrô que levam ao estádio, colocando “voluntários de boas-vindas” ao longo da rota, bem como voluntários especiais no próprio jogo onde se espera até 1.400 torcedores dos Blues.

As propostas, destinadas a eliminar qualquer tipo de mal-estar de ambos os lado, estão sendo consideradas pelas autoridades de Paris. Souleymane Sylla, o gerente de vendas francês que foi empurrado para fora do metro no incidente racista no ano passado, disse que estaria interessado em estar entre qualquer delegação de boas-vindas na Gare du Nord para cumprimentar os fãs do Chelsea. Sylla disse ao Guardian:

“Eu tive muito apoio dos fãs ingleses sobre o que aconteceu no metrô. É importante dizer que as pessoas responsáveis ​​pelo o que me aconteceu não tem nada a ver com o resto dos torcedores ingleses. Eu não sou a única pessoa no mundo que teve de enfrentar isso e é importante destacar o problema, para lutar contra o racismo no esporte”. 

O gerente de vendas ficou tão traumatizado pelo incidente que parou de trabalhar por seis meses e começou a tomar o metrô novamente apenas este mês. Ele disse que agora está reconstruindo sua vida e ficou satisfeito com o avanço no caso. “Em última análise, a coisa mais importante é que exista justiça”. Ele aceitou um convite do Paris Saint- Germain para assistir ao jogo no Parc des Princes.

Hermann Ebongue, vice- presidente da SOS Racismo e chefe da Sportitude caridade, uma das figuras por trás da repressão sobre o racismo e vandalismo em Paris nos últimos anos, disse que é importante evitar qualquer mal-estar antes do jogo, além de salientar a amizade entre os clubes.

“Com a proximidade do jogo, as imagens do que aconteceu no metro de Paris serão mostradas novamente, isso poderia criar um clima de tensão que pode colocar em risco a aceitação dos adeptos ingleses” 

“A melhor maneira de combater isso não é colocar simplesmente muito mais polícia em Paris, mas para fazer um gesto que lembre as pessoas de que o futebol é sobre valores compartilhados. Queremos mostrar que o racismo, a violência, o anti-semitismo não tem qualquer lugar no futebol . Nós também queremos evitar que os adeptos ingleses sejam hostilizados . É importante que a minoria por trás do incidente não manche todos os outros adeptos que não tinham nada a ver com isso. Nós também precisamos ter certeza de que cenas como esta não serão vistas novamente. ” 

Acredita-se que o Chelsea está considerando as propostas. No ano passado, cinco torcedores do Chelsea por ordem jurídica foram banidos futebol por cinco anos após o incidente no metrô. Proclamando as ordens de proibição, o juiz descreveu a cena como “um incidente racista” que “prejudicou ainda mais a imagem já manchada de futebol britânico na Europa”.

Depois de uma investigação policial francesa foi lançado em fevereiro passado, com a cooperação da polícia metropolitana, um dossiê, que foi entregue ao francês procurador da República que vai decidir o próximo passo. A França continua sob estado de emergência desde os ataques terroristas no Estádio Nacional de Paris, bares e uma sala de concertos que mataram 130 pessoas em 13 de novembro. A segurança nos jogos de esportes foi aumentada em Paris, que se prepara para sediar o Campeonato Europeu em Junho.

Compartilhe

Comments

Category: UEFA Champions League

Tags: