Steve Holland explica frustração de Mourinho que levou à sua expulsão e analisa a vitória sobre o Cardiff

Assistente Técnico Steve Holland fala à imprensa após vitória de 4x1 em casa sobre o Cardiff. (Foto AP)

Assistente Técnico Steve Holland fala à imprensa após vitória de 4×1 em casa sobre o Cardiff (Foto AP)

O assistente técnico de José Mourinho, Steve Holland, foi o responsável pela coletiva de imprensa após a vitória dos Blues sobre o Cardiff por 4×1, pois o português foi expulso pelo árbitro Anthony Taylor após sair da área técnica para reclamar sobre a pressão em Ivanovic para repor a bola em jogo rapidamente.

A essa altura – na marca dos 69 minutos – Mourinho já havia transformado o jogo a favor do Chelsea com as modificações que fez. Primeiro, o técnico colocou Oscar no lugar de Mata, dando mais energia e mobilidade ao time. Em seguida, assim como na partida contra o Norwich, o português tirou um dos laterais – no caso de hoje Ryan Bertrand – para colocar um atacante – Fernando Torres – e o time passou a jogar com três zagueiros:  Branislav Ivanovic, John Terry e David Luiz. Logo após o gol da virada de Samuel Eto’o, o treinador fez a sua terceira mudança, tirando o próprio camaronês e recompondo a linha de quatro de trás com a entrada de Cesar Azpilicueta. Quatro minutos depois, Mourinho foi expulso por Taylor, assistindo ao jogo da arquibancada, apenas algumas fileiras atrás do banco de reservas.

Holland falou sobre o motivo de reclamação do técnico e avaliou a vitória que deixou os Blues apenas dois pontos atrás do Arsenal, ultrapassando o Liverpool, que apenas empatou na rodada contra o Newcastle.

José está muito frustrado, pois o Cardiff demorava a repor a bola em jogo desde o começo da partida aos três, quatro minutos de jogo. Nós falamos isso para quarto árbitro inúmeras vezes de uma maneira profissional e educada. Ele nos assegurou que passou a reclamação para o juiz da partida e que ele estava ciente da clara ação para retardar a partida, mas parece que ele não fez nada a respeito porque os jogadores do Cardiff continuavam a demorar muito para repor a bola nos tiros de meta e nas cobranças de lateral. Logo depois que o resultado mudou de 1×0 para 2×1, nós tivemos um lateral para cobrar bem de frente o banco de reservas. Eles chutaram a bola que foi para longe e o gandula quase do escanteio mandou a bola para Ivanovic que não ficou com ela nem dois segundos antes do árbitro pressioná-lo para recolocar a bola em jogo. Essa atitude não era consistente com a postura que ele tinha adotado por 60 minutos de jogo e foi um caso de grande frustração [da parte de Mourinho] e expulsá-lo por causa disso foi muito severo,” Holland esclareceu sobre a expulsão de Mourinho.

Preocupação especial com o jogo

Nós estávamos preocupados com esse tipo de partida – a primeira após a volta de jogos FIFA, onde os jogadores vão para os mais diferentes lugares do mundo e você não sabe em que condições eles voltam. Eu não creio que nós começamos mal a partida, já que era esperado que nós tivéssemos que tentar quebrar a defesa deles, que estava bem postada e bem recuada. Então nós tivemos um erro de cálculo e tomamos o gol. Esse é o pior cenário possível em um jogo como esse, pois deixa os adversários aliviados e nós ficamos um pouco ansiosos. Daí a partida passou a ser um caso de perseverança, onde nós tocamos a bola rápido, procurando criar espaços e chances.

Sobre o gol de empate

Em minha opinião, Samuel estava próximo ao goleiro e eu creio que o goleiro sabia disso. Ele resolveu quicar a bola e enquanto ela ainda no ar, Samuel interceptou, roubando a bola para nós e nós empatamos. O juiz tinha uma ótima visão do lance e ele conhece as regras do jogo. Mas se esse for um caso de um gol que deveria ter sido anulado, essas coisas acontecem a seu favor e contra você durante a temporada. Para o árbitro nada demais aconteceu, então nós seguimos em frente.

Primeiro gol de Eto’o pelo Chelsea

É sempre muito difícil trocar de clubes, mas mudar de país e de ligas torna isso ainda mais complicado. Ele marcou gols no auge de sua carreira por toda a Europa, mas eu tenho certeza que ele está feliz por ter marcado o primeiro e abrir a sua contagem. Isso é algo que a comissão técnica e jogadores têm visto progredir nos treinamentos. Fisicamente você se adapta conforme o tempo passa, mas qualidade [técnica] é permanente e nós temos visto essa qualidade de finalização nos treinamentos há algumas semanas, mas é bom porque os torcedores puderam ver isso em campo hoje. Esperamos que isso seja algo que continuemos a ver no futuro. Todos atacantes gostam de marcar gols e é o que os ajuda a engrenar. Ter marcado o primeiro gol pelo time é algo que eu creio que o deixou muito feliz e esperamos que ele receba os benefícios disso imediatamente.

Confusão no gol do Cardiff e reação do time

Foi algo que não é característico para nós, o nosso esquema defensivo é muito bom, mas houve uma falha de comunicação entre os defensores e o goleiro. Os defensores pensaram que o goleiro ia pegar a bola e o goleiro pensou que os defensores iam alcançá-la. Isso não é algo que normalmente acontece aqui e nós esperamos que não se repita no futuro com frequência.

De um modo geral, os jogadores responderam muito bem ao se recuperarem disso [placar adverso]. Quando você enfrenta adversários que posicionam todos os jogadores atrás da linha bola, jogando na defesa, eles dificultam as coisas para você. Daí se você permite a eles ter vantagem no marcador, você dá confiança a eles e cria ansiedade no seu próprio desempenho. Não foi um bom começo para nós, mas conseguimos reverter a situação de uma maneira positiva.

Bárbara Lira