Técnico José Mourinho passa instruções para o time contra o Norwich. (Foto: AP)

Mourinho assume riscos e joga com três atacantes e três zagueiros para vencer partida contra o Norwich

Técnico José Mourinho passa instruções para o time contra o Norwich. (Foto: AP)
Técnico José Mourinho passa instruções para o time contra o Norwich (Foto: AP)

Em jogo válido pela sétima rodada da Premier League, jogando contra o Norwich fora de casa, o Chelsea terminou o primeiro tempo na frente com gol de Oscar, mas tomou o empate dos donos da casa na etapa complementar a 20 minutos do final. José Mourinho então mexeu no time colocando Samuel Eto’o, Eden Hazard e Willian nos lugares de Demba Ba, Ashley Cole a Juan Mata. As mudanças do técnico surtiram efeito e no finzinho do jogo, em um intervalo de dois minutos, Hazard e Willian resolveram a partida que terminou 3×1 para os Blues. A vitória – a primeira fora de casa – somada à derrota do Tottenham e ao empate do Arsenal garantiram aos Blues a terceira colocação na tabela, dois pontos atrás dos líderes Liverpool e Arsenal.

O português admitiu sorte – apesar das substituições terem surtido efeito – e está satisfeito com a maneira como o time respondeu coletivamente à pressão.

Se as substituições mudam a partida, o treinador foi bem, se elas só pioram as coisas, o treinador foi mal. No final a responsabilidade é dos jogadores. A situação ficou difícil com o empate em 1×1 e todos nós sabíamos que apenas um ponto aqui seria um mau resultado para nós. É claro que você precisa de um pouco de sorte quando o resultado é ruim a apenas dez minutos do final e você consegue reverter o quadro. Mas eu também acho que meus jogadores buscaram a sorte e ela os encontrou. Todo o time, não apenas aqueles que entraram no segundo tempo, lidaram bem com a pressão. Sem perder o equilíbrio, nós pudemos arriscar um pouco e tentar fazer coisas diferentes na partida e ver como o Norwich responderia. Por isso eu fiz as três mudanças ao mesmo tempo, eu tinha de colocar Eto’o, Hazard e Willian,” explicou Mourinho.

Nós poderíamos ter ganhado ou perdido, mas não queríamos sair daqui com apenas um ponto. Nós jogamos com três zagueiros [Ivanovic, Luiz e Terry] e com Schürrle aberto, com Hazard pelo meio [e Eto’o na frente] para termos três rápidos atacantes. Nós perdemos um pouco do equilíbrio ao nos lançamos à frente e apostamos, deixando o caminho um pouco mais aberto para o Norwich avançar também. Se eles tivessem marcado o segundo gol nós provavelmente teríamos perdido. Nós estamos tentando alcançar o topo da tabela e fazendo apenas um ponto fora contra o Tottenham e outro aqui seria uma má combinação de resultados, por isso tentamos vencer,” disse o treinador, admitindo os riscos.

Ba fez o que eu esperava que ele fizesse. Essa é a típica partida do futebol inglês: campo pequeno, jogo direto e por isso eu decidi começar com um atacante de mais porte físico, mas que também me ajuda defensivamente em jogadas de bola parada. Ele fez o seu papel, mas deveria ter marcado quando teve a chance com um minuto no segundo tempo. Com 2×0 nós voltaríamos para casa felizes, sem sofrer como aconteceu [após o empate]. Se você não marca, você deixa a porta aberta para tomar o gol e isso foi o que aconteceu e nós tivemos problemas. Eu não estava nervoso durante jogo, mas eu tive um pressentimento de que tomaríamos um gol quando eu vi o gol que perdemos e por isso coloquei Hazard para aquecer mesmo quando a partida ainda estava 1×0.

Mourinho falou ainda sobre a estreia de Willian na Premier League e do belo gol que o meia-atacante marcou para sacramentar a vitória por 3×1, além da importância da recuperação de Hazard.

Isso é muito bom para ele [Willian]. É sempre difícil chegar no time quando a temporada já começou, ainda mais quando se vem de uma liga onde o jogador naturamente perde um pouco de ambição, precisão e condição física. Mas aos poucos ele está evoluindo e vai chegar lá. Eu estou muito feliz com o departamento médico que trabalhou forte para recuperar Hazard – mesmo que ele não pudesse jogar os 90 minutos – porque eu sabia que se precisasse dele, ele estaria em condições de dar o empurrão que eu precisava. Como time e grupo, todos hoje colaboraram e fizeram sua parte,” concluiu o treinador.

O técnico ainda falou sobre a contusão de Ashley Cole, que saiu sentindo dores na costela. Mourinho disse que quando preparou a substituição, Cole não estava sentindo a contusão e que foi uma opção tática, mas que a dor lombar já vem incomodando o jogador há alguns dias. O português disse que o jogador fará exames de imagem amanhã para saber se está tudo bem, mas ele espera que não seja nada.

Já o técnico do Norwich, Chris Hughton, lamentou os gols tomados no fim do jogo e admitiu que seu time se abalou com o segundo gol, além de ter ficado decepcionado em tomar um gol [o segundo] a partir de um contra-ataque de uma cobrança de escanteio que os Canários tiveram.

Nosso esquema para frear o contra-ataque deles foi bom, mas a força e a velocidade do Chelsea dificultaram as coisas para nós. Um gol como o terceiro é o típico lance que você tem de simplesmente se render e admitir que foi um belo gol. Eles têm qualidade no banco de reservas para colocar jogadores como aqueles. Quando eles fizeram 2×1 ficou difícil para nós porque nós sentimos o gol.

Compartilhe

Comments

Category: English Premier League

Tags: