Chefe dos Blues, José Mourinho celebra a conquista da Copa da Liga Inglesa (Foto: Sky Sports)

Mourinho: “Me sinto como uma criança”

Chefe dos Blues, José Mourinho celebra a conquista da Copa da Liga Inglesa (Foto: Sky Sports)
Chefe dos Blues, José Mourinho celebra a conquista da Copa da Liga Inglesa (Foto: Sky Sports)

Os Blues se saudaram campeões da Capital One Cup ante o rival Tottenham durante a tarde deste domingo (1º) pelo placar de 2 a 0, em Wembley. Chefe do time, José Mourinho assistiu o capitão John Terry, considerado o Man Of The Match (Homem do Jogo), marcar durante a primeira metade da partida e viu Diego Costa ampliar no segundo tempo contando com o desvio de Walker para vencer o goleiro Lloris. O português surpreendeu na line-up ao escalar o jovem Kurt Zouma como falso volante, e Gary Cahill na defesa, perto de Petr Cech.

Após o apito final, Mourinho celebrou com a equipe o primeiro título da temporada e falou com a imprensa. Special One começou parabenizando os oponentes, em especial o treinador do Tottenham, Mauricio Pochettino, e declarou Thibaut Courtois como o verdadeiro homem do jogo por sua performance contra o Liverpool.

“Primeiro de tudo eu quero dizer que no meio da minha felicidade existe um espaço para Mauricio Pochettino, seus funcionários, e o Tottenham como um time e um clube. Eu o conheci na Espanha há muitos anos atrás como jogador, e depois quando ele era um treinador novo quando eu estava no Real Madrid. Ele veio para a Inglaterra, se provou, ninguém deu a ele algo de graça.”

“Ele fez um trabalho fantástico no Southampton, veio para um clube grande como o Tottenham, e está construindo um time fantástico. Eles nos deram uma final difícil, nos fizeram ser humildes e a pensar no jogo estrategicamente.”

“A segunda coisa que eu que eu quero dizer é que agora eu não penso em John Terry, Azpilicueta ou Diego Costa. Eu penso em Courtois, porque sem ele não teria final, nós teríamos perdido contra o Liverpool. Eu penso em Matic, Filipe Luis e Oscar, os caras que não tiveram a chance de jogar. Eu penso em Schwarzer, Salah, Schürrle, e todos os rapazes que começaram a temporada com a gente – eles são vencedores.”

Mourinho se mostrou satisfeito com o desempenho da equipe e, emocionado, afirmou ter se sentido ‘como uma criança’:

“Nós jogamos para vencer, eles foram o time que são, e nós fomos estratégicos. Estávamos confortáveis e encontramos uma solução para manter a estabilidade depois da suspensão de Matic. Eu estou muito feliz porque um time que não é muito maturo, um time com muitos jogadores jovens se adaptou muito bem. Nós trocamos a posição de triângulo no meio-campo, a partida que jogamos foi uma partida de um time muito maturo, o que não somos, então estou muito contente.”

“Para mim é importante me sentir como uma criança; antes do jogo eu tive os mesmo sentimentos como os da minha primeira final. É importante sentir a mesma felicidade depois da partida. Eu sei que tenho um time para construir – que é o que estamos fazendo –, mas é difícil para mim viver sem vencer coisas mesmo se estamos realizando o trabalho de estar estável por muitos anos. É importante para mim, para os meninos e, para o clube, é outro caneco.”

“É o primeiro troféu para um novo grupo de jogadores. Você tem Cech, Terry e Drogba, mas depois deles todos pertencem a um novo grupo de jogadores, então para o time isso é muito importante.”

Kurt Zouma, que compriu função diferente no meio-campo dos Blues, foi elogiado pelo treinador que explicou a escalação do jovem defensor.

“É muito difícil para um zagueiro jogar lá [no meio-de-campo], eles são pressionados em seus rostos, você tem que pensar mais rápido e tomar decisões mais rápido, mas o nosso novo Marcel Desailly trabalhou muito forte durante a semana e a criança fez um trabalho fantástico para nós.”

 “Apenas com Fàbregas e Ramires contra um time como os Spurs, nós teríamos estado em meio de problemas porque eles movimentam a bola muito bem. Do primeiro minuto nós pressianamos eles no alto. Lloris estava pulando alto ao invés de baixo. Nós não demos a eles o jogo que eles estavam esperando.”

“Foi importante  Fàbregas ter a liberdade de por seu pé naquela área [ataque]. Se nós tivessemos jogado sem o Zouma, eu teria precisado jogar com Fàbregas e Ramires numa posição para manter a estabilidade do time, e ele não teria estado lá. Às vezes você não está feliz consigo mesmo, no entanto, estou muito feliz comigo mesmo porque sabia que era uma decisão que, se eu perdesse a final, os experts, aqueles que sabem mais do que eu, me matariam.”

Sobre a escolha de Petr Cech como o goleiro, ele afirmou:

“Eu escolhi ele [Petr Cech] porque esta era sua competição. Nós tomamos a decisão de fazer Courtois nossa primeira escolha como goleiro porque ele é o mais novo, o futuro e é maravilhoso pela sua idade. Nós dissemos que essa seria a competição de Petr Cech, mas quando eu comecei dando partidas na Champions League ou Premier League agora e de novo, eu abri a porta para mim mesmo de jogar com Courtois nessa competição. Eu queria jogar fora com ele em Liverpool, e fomos bem sucedidos com isso. Eles estão jogando tão bem que todo mundo se sente confortável em todas as decisões. Eu tento ser justo, e Petr mereceu jogar hoje, embora todos nós sabermos que Courtois merece a taça tanto quando ele [Cech].”

O Chelsea perdeu o lesionado John Obi Mikel para a partida, e Nemanja Matic, que cumpre suspensão da FA (Football Association). Mourinho falou a respeito:

“O garoto [Matic] estava triste, estávamos tristes por ele. Ele fez um discurso no vestiário onde expressou sua dor e pediu aos jogadores para ter o prazer que ele não podia ter. Para mim  a verdadeira dor foi ver um jogador [Ashley Barnes, do Burnley, que não foi punido pela FA] jogar ontem e Matic não jogar hoje.”

Antes de entrar em campo, o Liverpool derrotou o vice-colocado do campeonato, o Manchester City, por 2 a 1. José Mourinho confessou após a partida que tentou manter a equipe afastada do resultado, mas foi impossível até um funcionário comemorar a derrota dos Citizens:

“O dia perfeito era vencer a final. Eu os preparei para uma missão impossível, que era não saber o resultado do Manchester City. Eu não quis televisão no hotel ou no ônibus. Eu não queria qualquer reação sobre isso. Nós estávamos indo bem, mas um membro dos funcionários, Silvinho, pulou no ônibus. Eu quis matar ele, um membro da minha própria equipe quebrou a regra. Eu queria parar eles, fazendo-os ter reação e foco no que eles tinham que fazer, nós tínhamos um trabalho muito difícil ante o Tottenham.”

Special One finalizou falando a respeito da conduta e do personagem Diego Costa, que participou do segundo gol:

“Ele precisa do time, sem eles é difícil de fazer alguma coisa. Ele precisa manter sua natureza como uma pessoa e um jogador de futebol. Ele jogou a final no topo da sua motivação, não teve nenhum cartão amarelo, porque ele não fez nada para merecer um cartão amarelo. Diego tem que ser Diego, sentir as diferenças entre jogar num país latino e jogar aqui, e eu acredito que ele está fazendo isso muito bem por nós.”

Compartilhe

Comments

Category: Copa da Liga Inglesa

Tags: