Chelsea perde em clássico londrino e se complica na Copa da Liga Inglesa

O Chelsea saiu derrotado na primeira partida da semifinal da Copa da Liga Inglesa. Mesmo dominando o jogo desde a etapa inicial, os Blues não conseguiram superar o Tottenham e terão que vencer a partida de volta, dia 24 de janeiro, em Stamford Bridge.

Autor do gol solitário da partida, Harry Kane fez mais um no rival de Londres. O camisa 10 dos Spurs jogou para o gasto e definiu o jogo em um gol de pênalti marcado com o auxílio do VAR. Após jogos pela Copa da Inglaterra e pela Copa da Liga Inglesa, o Chelsea agora vai retomar sua atenção para a Premier League. Os Blues entram em campo no próximo sábado, em casa, contra o Newcastle.

Início de jogo com chances pra lá e pra cá

Hudson-Odoi fez mais uma boa partida com a camisa dos Blues (Divulgação – Chelsea FC)

O clássico de Londres começou com tudo. Em menos de 5’, Spurs e Blues já criavam as primeiras oportunidades de gol e assustavam seus respectivos arqueiros. Se de um lado, Hudson-Odoi já ciscava e aprontava pra cima do lado esquerdo da defesa do Tottenham, Kane e Son assustavam o setor defensivo do Chelsea.

Antes dos 15’, o ritmo intenso dos minutos iniciais se dissipou e o jogo começou a ficar mais estudado. Mesmo jogando fora de casa, o Chelsea ainda conseguia ter o maior controle do jogo. Já o Tottenham chegava raramente em jogadas pelas pontas do campo ou em lançamentos do ótimo meia Eriksen.

Kane (com ajuda do VAR) abre o placar

No momento em que a temperatura do jogo estava mais baixa, o zagueiro Alderweireld descolou um ótimo lançamento para o atacante Harry Kane. Acreditando piamente que o inglês estava impedido, a defesa azul parou, mas o camisa 10 dos Spurs, não. Ele avançou e só foi derrubado pelo goleiro Kepa, dentro da área. O lance gerou polêmica e foi preciso o VAR para que o árbitro Michael Oliver assinalasse a penalidade máxima.

Kepa derruba Kane e árbitro dá pênalti após consulta do VAR (Divulgação – Tottenham)

Indiferente com a reclamação do Chelsea, Harry Kane foi para a bola e com muita categoria só deslocou o goleiro espanhol para abrir o placar em Wembley. 1 a 0 para o time da casa.

Após o gol, o Chelsea manteve a pegada. Barkley, Kanté e Hudson-Odoi eram os melhores em campo. E foi com dois desses que os Blues conseguiram assustar a meta do goleiro Gazzaniga na reta final do primeiro tempo. Após cruzamento de Marcos Alonso, Kanté desviou e a bola beijou a quina da trave direita do arqueiro do Tottenham. No lance seguinte, Hudson-Odoi recebeu na ponta direita, driblou Rose e chutou por cima do gol. No último lance dos primeiros 45’, o mesmo Hudson-Odoi cruzou, a bola desviou em Rose, fazendo com Gazzaniga operasse um pequeno milagre. A bola tocou nos dedos do goleiro dos Spurs e encontrou a trave. Na volta, Alderweireld afastou o perigo.

Chelsea volta bem, mas falta de pontaria e Gazzaniga impedem empate

As duas equipes voltaram sem modificações para a segunda etapa. Mesmo sem substituições, a conversa no vestiário surtiu efeito. Hazard, que pouco apareceu no primeiro tempo, entrou mais ligado no complemento do jogo. Em menos de dez minutos da etapa final, o goleiro Gazzaniga já precisava fazer duas boas defesas em chutes de fora da área de Hazard e Kanté.

Hazard tentou de tudo no segundo tempo, mas gol não saiu (Divulgação – Chelsea FC)

Se o belga camisa 10 voltou mais ligado, Willian continuou apagado. O brasileiro fez mais uma partida discreta e vai perdendo chances de mostrar seu futebol para o técnico Maurizio Sarri. Resultado? Substituição! O camisa 22 saiu de campo antes 65’ dando lugar a Pedro, que voltou de lesão. Em campo, Pedro entrou pela direita, jogando Hudson-Odoi para a esquerda. Já Hazard continuou tento que se desdobrar para ser o ‘falso 9’.

Outro que deixou o campo foi Barkley. O inglês pouco foi efetivo no segundo tempo e Sarri preferiu colocar Kovacic no jogo. As mudanças deram mais gás ao time que continuou em cima do Tottenham. Já no abafa para procurar o gol de empate, o italiano optou por subir a estatura do ataque dos Blues. Giroud entrou no lugar do cansado Hudson-Odoi. O jovem inglês que segue sendo monitorado pelo Bayern fez mais uma boa apresentação.

Sobrando tecnicamente e fisicamente, o Chelsea dominou a parte final da segunda etapa. Com Hazard como protagonista, os Blues criaram várias chances, mas pecavam no passe final. Giroud não conseguia antecipar os bons cruzamentos do belga, Kanté e Kovacic não encontravam espaços para entrar na defesa dos Spurs e a estrela de Marcos Alonso que brilhou no mesmo Wembley na Premier League da temporada passada, não estava tão radiante na tarde/noite de hoje.

Ficha técnica:

Tottenham (4-1-2-1-2): Gazzaniga, Trippier, Alderweireld, Sánchez, Rose; Winks (Skipp 89’), Sissoko, Eriksen (Llorente 91’), Alli; Son (Lamela 79’), Harry Kane.

Reservas não-utilizados: Lloris, Foyth, Walker-Peters e Davies.

Chelsea (4-4-3): Kepa, Azpilicueta, Rudiger, Christensen, Alonso; Jorginho, Kanté, Barkley (Kovacic 75’); Willian (Pedro 63’), Hudson-Odoi (Giroud 79’), Hazard.

Reservas não-utilizados: Caballero, Zappacosta, David Luiz e Ampadu.

Gols: Harry Kane 27’ (TOT)

Cartões Amarelos: Kepa 25’ (CHE) Winks 29’ (TOT) Sánchez 60’ (TOT) Lamela 82’ (TOT)

Árbitro: Michael Oliver

Estádio: Wembley – Londres (44.371)

Willian Guerra