As cinco melhores semifinais disputadas pelo Chelsea

O Chelsea se classificou para a Semifinal da Europa League, em homenagem ao feito, o Chelsea Brasil separou 5 grandes jogos nessa fase de torneios, partidas que são o grande divisor de águas entre aqueles que chegarão na Final ou ficarão pelo caminho.

Vamos à lista!

5º Chelsea x Basel – A última Semifinal pela Europa League

Torres jogou esse confronto com uma máscara no rosto [Foto: Clive Rose]


Esse confronto não foi um dos mais emocionantes da história do Chelsea, mas é bem importante. Os Blues venceram na Suiça e em Londres, e se classificaram para a final da Europa League, em 2013.

O primeiro jogo foi uma vitória por 2×1, fora de casa. O Chelsea abriu o placar com Victor Moses, após uma cobrança de escanteio de Frank Lampard. A equipe suíça empatou com o zagueiro Fabian Schar cobrando pênalti. Porém, os Blues deram o troco na mesma moeda, o defensor David Luiz, sobrando falta, voltou a nos colocar na frente do placar.

O jogo de volta já trazia um componente de tranquilidade devido à vitória no jogo de ida. E isso acabou atrapalhando um pouco os Blues. Uma certa ansiedade para definir logo, jogou contra o Chelsea, e o Basel abriu o placar pouco antes do fim do primeiro tempo, gol de Mohamed Salah.

O papo de Rafa Benítez no intervalo surtiu efeito, e os Blues já voltaram com uma postura diferente. Fernando Torres empatou logo no início do segundo tempo, e depois Victor Moses e David Luiz voltaram a marcar no confronto, finalizando o confronto em um agregado de 5-2 para o Chelsea.

4º Chelsea x Arsenal – Virada emocionante no Derby londrino pela FA Cup

Fàbregas vestia a camisa do Arsenal [Foto: Mike Hewitt/Getty Images]


Em 18 de abril de 2009, o Chelsea foi a Wembley para enfrentar o Arsenal pela Semifinal da FA Cup. Eles decidiram a vaga na final um público com mais de 88 mil pessoas, um ótimo público, o que se espera para um derby londrino no estádio mais lendário da Inglaterra.

As equipes foram a campo com as seguintes escalações:

  • Arsenal: Fabianski; Eboue, Toure, Silvestre, Gibbs; Walcott, Fabregas, Diaby, Denilson (Nasri 86); Van Persie (Arshavin 75), Adebayor (Bendtner 83); Téc.: Arsene Wenger.
  • Chelsea: Cech; Ivanovic, Alex, Terry, Ashley Cole; Ballack, Lampard, Essien; Malouda, Anelka (Kalou 82), Drogba; Téc.: Guus Hiddink.

Nessa fase da competição, o time que iria para a final seria definido em um único jogo, com disputa de pênaltis em caso de empate. E é o que pareceu que aconteceria. Após o Arsenal abrir o placar aos 18 minutos com Theo Walcott, e o Chelsea reagir rapidamente com Florent Malouda, aos 33, a partida seguia empatada até os minutos finais do segundo tempo.

Porém, o Chelsea tinha Didier Drogba. O centro avante marfinense, que também pode ser chamado de “Rei de Wembley” ou “Carrasco do Arsenal” mostrou por que pode apresentar essas credenciais. Aos 39 minutos do segundo tempo, o atacante recebeu assistência de Frank Lampard e venceu o goleiro Lukasz Fabianski para selar a virada dos Blues, antes do tempo extra.

Com a vitória, o Chelsea iria voltar a Wembley para enfrentar o Everton. Venceu novamente por 2×1 de virada e conquistou a taça da FA Cup daquela temporada.

3º Chelsea x Tottenham – Vitória inesquecível pela FA Cup

Matic fez um gol espetacular [Foto: Reuters]


Abril de 2017, Wembley novamente lotado, um público de mais de 86 mil pessoas foi ao lendário estádio assistir a Semifinal que envolvia dois times de Londres. E os times em campo não decepcionaram, um placar de 4×2 e um jogo muito movimentado, que certamente os torcedores do Chelsea não esquecerão.

Os times foram a campo com as seguintes formações:

  • Chelsea (3-4-3): Thibaut Courtois; César Azpilicueta, David Luiz, Nathan Aké; Victor Moses, N’Golo Kanté, Nemanja Matic, Marcos Alonso; Willian (Eden Hazard), Michy Batshuayi (Diego Costa), Pedro (Cesc Fàbregas); Téc.: Antônio Conte.
  • Tottenham (3-4-2-1): Hugo Lloris; Eric Dier, Toby Alderweireld, Jan Vertonghen; Kieran Trippier, Victor Wanyama (N’Koudou), Mousa Dembélé, Heung-Min Son (Kyle Walker); Christian Eriksen, Dele Alli; Harry Kane; Téc.: Mauricio Pochettino.

A partida já começou eletrizante. Willian abriu o placar logo aos 5, Kane empatou aos 18 minutos e o brasileiro voltou a colocar o Chelsea na frente logo antes do final do primeiro tempo. Chances foram criadas dos dois lados.

O segundo tempo já começou com gol de Dele Alli, que empatou logo no início. Esse placar se arrastou até os 30 minutos, quando Eden Hazard anotou um belo gol, e o placar foi assegurado logo depois, quando Nemanja Matic fez um dos gols mais bonitos da competição, finalizando de perna esquerda de fora da área, um gol antológico em um jogo inesquecível e classificação para a final.

2º Chelsea x Liverpool – Um confronto sempre marcante na Champions League

Drogba decidindo para o Chelsea mais uma vez [Foto: Shaun Botterill/Getty Images]


Em 2009, Chelsea e Liverpool se enfrentaram pelas Quartas de Finais da UEFA Champions League, um 4×4 em Stamford Bridge foi a consolidação de um confronto que já havia se tornado uma rivalidade histórica na competição. E isso veio de anos anteriores. A Semifinal de 2007/08 foi um desses grandes embates entre as equipes.

A vitória dos Blues teve um componente de vingança, em 2005 e 2007 o Chelsea já havia sido eliminado pelo Liverpool nessa fase, e dessa vez o time deu o troco, mesmo que tenha precisado levar a partida até a prorrogação para isso.

A partida de ida aconteceu em Liverpool, e o Chelsea conseguiu um empate fundamental por 1×1.

Na a volta, essas foram as equipes:

  • Chelsea: Petr Cech; Essien, Ricardo Carvalho, John Terry, Ashley Cole; Makelele, Michael Ballack, Frank Lampard (Shevchenko), Joe Cole (Anelka); Drogba, Kalou (Malouda); Téc.: Avram Grant.
  • Liverpool: Reina; Arbeloa, Carragher, Skrtel (Hyypia), Riise; Xabi Alonso, Mascherano, Gerrard, Benayoun (Pennant); Kuyt, Fernando Torres (Babel); Téc.: Rafa Benítez.

Foi um jogo bem mais agitado. Os atacantes marcaram no tempo normal, Didier Drogba abriu o placar aos 33 do primeiro, e Fernando Torres empatou aos 19 da segunda etapa. O placar da partida de ida se repetia.

O jogo foi para a prorrogação, e nela, os gols apareceram em grande quantidade. O Chelsea, com Frank Lampard, ficou na frente do placar, e Drogba voltou a aparecer para aumentar a vantagem, um gol que seria fundamental, pois aos 12 minutos do segundo tempo da prorrogação, Ryan Babel marcou um gol que diminuía a vantagem para 3-2 e deu esperanças para o Liverpool, que não conseguiu empatar.

Um agregado em 4×3 para o Chelsea, que colocava o time na final da Champions League daquele ano, para enfrentar o Manchester United. Esse jogo já não traz muitas lembranças boas…

1º Chelsea x Barcelona – Não poderia ser outro!

Fernando Torres dribla Valdés em um gol histórico (Foto: Getty Images)


No dia 24 de abril de 2012 o Chelsea dava um passo gigantesco em busca do título mais importante de sua história. Um empate arrancado na raça, quando todas as situações eram adversas, selado com dois gols lendários, anotados por Ramires e Fernando Torres colocou o Chelsea na final da Champions League.

O adversário era um dos melhores times da história do futebol: o Barcelona de Pep Guardiola. Esse time contava com todos os craques em seu auge, Messi, Xavi e Iniesta encantavam o mundo inteiro, mas pegaram pela frente um time cascudo e que jogava com muito amor à camisa.

Na partida de ida, o treinador Roberto Di Matteo já apostava em contra golpes para superar o Barça, e foi justamente em um deles que Lampard lançou para Ramires, que correu pelo lado esquerdo do campo e cruzou para Didier Drogba, 1×0 Chelsea em casa, um ótimo resultado.

Mas a partida de volta que foi marcante, as equipes foram a campo dessa forma:

  • Barcelona: Valdés; Piqué (Daniel Alves), Mascherano, Puyol; Busquets, Xavi, Iniesta, Fàbregas (Keita); Cuenca (Tello), Messi, Sánchez; Téc.: Josep Guardiola
  • Chelsea: Cech; Ivanovic, Terry, Cahill (Bosingwa), Ashley Cole; Obi Mikel, Meireles, Lampard; Ramires, Drogba (Torres), Mata (Kalou); Téc.: Roberto Di Matteo

O primeiro tempo dessa partida pode ser resumido nos 15 minutos finais. O Barcelona insistia em rodar a bola e tentar cruzar na área do Chelsea, mas não funcionava. Até que em um cruzamento de Cuenca, Sérgio Busquets apareceu quase na pequena área para escorar para o gol, 1×0 Barça. Apenas dois minutos depois, o caos. John Terry deu uma joelhada sem bola em Alexis Sanchéz e foi expulso, e, para piorar, Iniesta colocava os espanhóis na frente, logo depois.

Um 2×0 contra um dos melhores times do futebol, com um jogador a menos e jogando fora de casa, uma situação impossível de reverter? Para o Chelsea não.

Ainda no primeiro tempo, Lampard conseguiu dar uma assistência perfeita para a escapada de Ramires, que fez o gol encobrindo Victor Valdés e comemorou dançando para mais de 90 mil torcedores do Barcelona, em pleno Camp Nou!

Esse foi apenas o primeiro tempo, o 2×1 classificava o Chelsea, mas era preciso resistir uma etapa inteira contra Lionel Messi e seus companheiros. E a missão ficou ainda mais complicada quando o árbitro marcou pênalti para o Barcelona. Mas o argentino, o melhor jogador do mundo, foi para a cobrança e acertou o travessão!

O Chelsea seguia na defesa até o final do jogo, quando o Barcelona colocava 10 jogadores no campo de ataque e empurrava os Blues. Isso durou até o fim do jogo, quando Bosingwa afastou uma bola com um chutão, que encontrou Fernando Torres, completamente livre no campo de ataque, o espanhol teve apenas o trabalho de driblar o goleiro Valdés e empurrar para o gol vazio.

Chelsea classificado para a final da UEFA Champions League em 2012, decisão que iria vencer nos pênaltis, na Alemanha, contra o Bayern.

Victor Rosa

Curso jornalismo e carrego o sonho de trabalhar acompanhando futebol todos os dias da minha vida. #GoBlues #KTBFFH