Ainda há alguma esperança para o Chelsea na Premier League?

Atual campeão da Premier League, o Chelsea ainda tem um futuro completamente incerto para a próxima temporada. Ocupando apenas a quinta posição na tabela e com nove rodadas pela frente, a equipe londrina sofreu brusca queda de rendimento desde meados de janeiro, permitindo que Tottenham e Liverpool ganhassem posições e, automaticamente, deixando de ocupar a zona de classificação direta para a Champions League 2018/2019.

Os tropeços no curto espaço de tempo vêm custando caro ao clube e, em especial, para Antonio Conte, que pode acabar desempregado antes mesmo da última rodada da competição. Isso porque, além dos altos e baixos no campeonato inglês, os Blues ainda têm pela frente um jogo complicado contra o Barcelona, no Camp Nou, pela UCL; foram eliminados da Copa da Liga pelo Arsenal, e não têm mais chances de conquistar o bicampeonato nacional.

Mas nem tudo esta perdido na Premier League. Mesmo sem chances de lutar pelo título, a equipe de Londres ainda tem pela frente três confrontos diretos com adversários em posições superiores: contra o Manchester City no próximo domingo, contra o Tottenham em abril, e contra o Liverpool no início de maio. Tirar proveito destas oportunidades não será fácil, mas estas podem ser as chaves para um final de temporada melhor para os Blues.

Brigar pelo título já é algo distante demais para as equipes que seguem atrás do Manchester City, mas o Chelsea ainda pode arrancar alguns pontos do líder para avançar na tabela da Premier League (Foto: ADRIAN DENNIS/AFP/Getty Images)

O City, disparado na liderança do campeonato com 13 pontos de vantagem sobre o segundo colocado, possui uma única derrota em todo o torneio – e curiosamente, o responsável por ela é o Liverpool, dono da terceira posição desde a 25ª rodada. A equipe comandada por Pep Guardiola visitou o Stamford Bidge em setembro do ano passado e saiu vitoriosa pelo placar mínimo, o que não parece tão ruim à primeira vista.

Em seus domínios, porém, os Citizens se apresentam de forma avassaladora, aplicando goleada em seus adversários e, especialmente, em outros membros do “big six”. No Etihad Stadium, diante dos Reds, obteve uma vitória pelo placar de 5 a 0 na quarta rodada, além de outras por 3 a 1 e 4 a 1 contra Arsenal e Tottenham, respectivamente.

Com uma vitória para cada lado em confrontos diretos, o Chelsea ainda tem chances de ultrapassar o United na tabela, mas dependerá de um pouco de sorte já que não haverão mais confrontos diretos (Foto: Laurence Griffiths/Getty Images)

O vice-líder Manchester United, por sua vez, possui vantagem sobre os Blues também nos confrontos diretos, o que torna mais improvável a aproximação da equipe de Antonio Conte. A “reviravolta”, porém, é completamente possível. Mesmo tendo vencerando os Blues no último domingo (25), os Red Devils somam apenas seis pontos a mais com 27 a serem disputados, e diferente de seu rival homônimo, não apresenta um desempenho tão consistente na competição.

Com 18 vitórias ao longo do torneio, os comandados de José Mourinho possuem quatro derrotas e dois empates a mais que o líder. Além disso, a virada de turno do United não teve um aproveitamento tão bom quanto o anterior no mesmo período. Em nove jogos, os Red Devils já sofreram duas derrotas e dois empates, um a menos que na primeira metade do torneio em ambos os critérios.

Na 25ª rodada, um tropeço dos Blues levou o Liverpool a conquistar a terceira colocação na tabela, onde permanecem até o presente momento – mas a uma curta distância (Foto: Alan Martin/Action Plus via Getty Images)

Na terceira posição, o Liverpool também é uma realidade mais próxima para o Chelsea. Apesar de ter um número menor de derrotas que o United – foram apenas três em 28 jogos -, os Reds têm nove empates em sua conta, somando um total de 57 pontos na tabela, quatro a mais que os Blues. A “tendência a tropeçar” em momentos pouco esperados pode ajudar os londrinos, mas no atual momento seria um fator de pura sorte.

Desde o início do returno, o time comandado por Jürgen Klopp cresceu na competição. Foram disputados 27 pontos até o momento, e os Reds conquistaram 22, campanha superior até mesmo a do Manchester City, que sofreu um empate a mais no período. Além disso, o Liverpool vem de um excelente resultado na Champions League contra o Porto, o que alivia muito a pressão do segundo jogo e permite que o grupo foque nos compromissos da Premier League até a próxima fase.

No primeiro turno, o Chelsea triunfou sobre o Tottenham em Wembley, e precisará de mais uma vitória em casa para tirar a vantagem dos rivais do norte na tabela (Foto: Shaun Brooks/Action Plus via Getty Images)

À frente do Chelsea ainda está o Tottenham, que possui dois pontos a mais, na quarta colocação. Com a vantagem de ter apenas outros dois jogos contra clubes do “big six” pela frente, a equipe do norte de Londres tem um calendário mais tranquilo que os demais clubes do topo. Sem sofrer derrotas desde a 18ª rodada, os Spurs tem tido um bom aproveitamento na segunda etapa do campeonato inglês, mas diferente do Liverpool não se encontram em uma situação tão fácil na Champions League, o que pode influenciar a sequência da competição.

Ascender na tabela, entretanto, não é a única possibilidade que existe para os Blues até o fim da temporada. Mesmo a uma distância de oito pontos, o sexto colocado Arsenal segue vivo na luta por uma vaga na Champions League – mesmo que indireta. A equipe treinada por Arsène Wenger tem campanha instável na Premier League, e a maior parte de suas derrotas costuma vir fora de casa.

Apesar da distância de oito pontos, o Arsenal tem sido um adversário incômodo para o Chelsea na atual temporada, e pode complicar ainda mais a vida dos Blues na Premier League (Foto: Getty Images)

Para conquistar a classificação para o torneio continental da próxima temporada, os Gunners ainda têm como “opção” a Europa League. O confronto contra o Milan pelas oitavas de final da competição, porém, não promete ser fácil, o que pressiona a equipe londrina a buscar melhores resultados no campeonato inglês e torcer para que a queda de rendimento do Chelsea siga seu rumo, já que o confronto direto não é mais uma possibilidade para tirar pontos do rival.

É visível que os Blues ainda possuem opções e possibilidades na temporada. Avançar na Champions League e tentar garantir a melhor colocação possível na Premier League são realidades não muito distantes da equipe de Antonio Conte, mas foco e dedicação total são atributos ao momento “conturbado” que o Chelsea ainda vive.

Conte precisa mais do que nunca encontra uma formação que possa se manter de maneira eficiente ao invés de apostar em estilos diferentes a cada jogo – e é claro, os ânimos do elenco em relação ao treinador italiano precisam ser acalmados de forma definitiva, pelo menos até o fim da temporada. Esse é o momento de apostar tudo no melhor que o Chelsea pode dar, ou simplesmente abrir mão de um leque de oportunidades e deixar que mais uma temporada amarga se sobre ponha a um ano de glórias como 2016/2017.

Gabriela Bustamante

Estudante de jornalismo, 20 anos, apaixonada pelo Chelsea. A mulher que chora quando pensa naquele Barcelona 2x2 Chelsea no Camp Nou, em 2012.