Mikel quer permanência de Hiddink no comando técnico do Chelsea (Foto: Chelsea FC)

O apoio de Obi Mikel diz muito sobre o sucesso da contratação de Guus Hiddink

O retorno de José Mourinho a sua casa pode, até, não ter sido um enorme sucesso como em sua primeira passagem. Ainda assim, o técnico português conquistou, mais uma vez, a Premier League, levantando também a taça da Capital One Cup. Tudo se encaminhava para uma terceira temporada repleta de êxito. Mou renovaria seu contrato e o reinado do Chelsea tinha tudo para se estender.

Não se sabe ao certo o que aconteceu no vestiário dos Blues, mas Mourinho perdeu sua liderança perante os jogadores. Polêmicas, muitas vezes desnecessárias, criadas pelo treinador só minaram seu tempo no comando técnico. O time que encantou na Inglaterra há uma temporada, se transformara numa bagunça tática descomunal. As várias vitórias se tornariam inúmeras derrotas. Resultado: José, outra vez, se vai.

Para seu lugar, Roman Abramovich decide apontar o experiente Guus Hiddink como manager até o fim da temporada. O primeiro mandato tampão do holandês foi bem sucedido e deixou saudades nos torcedores, fazendo com que o proprietário recorresse ao amigo para repetir o feito.

Desde que assumiu como técnico, Hiddink, se não foi brilhante, mostrou-se muito útil. Soube controlar o vestiário, voltou a padronizar as performances do time e depois de balancear a equipe, vem desenvolvendo um sistema de jogo mais incisivo. Em treze jogos, foram seis vitórias, seis empates e uma derrota. Nada de excepcional, mas o suficiente para tirar o time da incomoda e vergonhosa situação.

“Definitivamente, quero que ele fique. A escolha é do proprietário do clube e do conselho, mas se você falar com os jogadores, 98 ou 99% deles quer que ele (Hiddink) fique. Desde o primeiro dia que Guus chegou, a atmosfera mudou. Os jogadores se sentem mais relaxados”.

A frase acima é de autoria de John Obi Mikel, jogador que renasceu após chegada de Hiddink. O contexto dela evidencia como o vestiário com Mourinho era insustentável. Guus, com seu conhecimento e sutileza no trato aos jogadores, fez com que o ambiente saísse daquela obscuridade. Ele deu sobrevida a um grupo de jogadores que estava exausto de cobrança excessiva.

A permanência de Hiddink é temporária. O próprio holandês pensa em se aposentar ao fim desta época. Muitos nomes são especulados acerca de seu futuro substituto, mas pelos detalhes que se atentou, Guus reergueu o Chelsea, os jogadores e seu nome, sendo possível considerar até mesmo sua estadia em Londres por mais tempo. Os atletas apóiam e esse suporte pode ser decisivo na decisão final de Abramovich. Ainda restam muitos jogos e com o Chelsea alcançando vôos maiores na FA Cup e na Champions League, existe a possibilidade do trabalho de Hiddink se estender.

Compartilhe

Comments

Category: Chelsea Football Club

Tags: