Jovens do Chelsea: o setor defensivo de Cobham no time principal

A série de posts sobre os jovens das categorias de base do Chelsea começa com os defensores do elenco

Na temporada atual, o Chelsea precisou usar seus jogadores da base ou de empréstimos para preencher lacunas no elenco principal.

Os garotos não somente corresponderam como também desempenharam um papel crucial no time de Frank Lampard. O Chelsea Brasil fez uma série, dividida em três partes, destacando a importância desses jovens no clube.

Defesa

Reece James

Um dos setores mais criticados pela torcida durante a atual temporada, a defesa do Chelsea peca em alguns aspectos. Com médias de 1,34 gols sofridos por jogo e somente seis ‘clean sheets’ na Premier Legue, Lampard precisa encontrar caminhos para solidificar seu sistema defensivo. Para tanto, o ídolo do clube conta com uma das maiores joias do clube na lateral direita: Reece James.

O jovem e polivalente jogador inglês de 19 anos tem chamado bastante atenção na atual temporada. Na sua estreia como titular pelo Inglês, vitória sobre o Crystal Palace por 2-0, teve uma atuação dominante contra Zaha. Também brilhou na Champions League, se tornando o mais jovem da história do clube a marcar um gol no 4-4 com o Ajax.

Mapa de calor de Reece James

Jogador traz colaboração pelo centro (Foto: Sofascore)

Reece James foi integrado ao elenco principal após uma excelente temporada emprestado ao Wigan Athletic. Atuando pelos ‘The Latics’, foi eleito para o time da temporada na Championship e recebeu três prêmios individuais.

Bons números em sua primeira temporada

Jogando majoritariamente na lateral direita, o inglês também atuou no meio campo em alguns jogos naquela temporada, contando com uma condição física privilegiada aliado a um bom controle de bola, tais permitiram que ele desempenhasse bem fora da sua posição de origem.

Na Premier League, James, a cada partida, conquista sua merecida vaga no time titular de Lampard. Participou de 17 jogos, 11 destes como titular, colecionando boas atuações. Os apoios constantes no ultimo terço do campo já garantiram duas assistências, 0.5 chances criadas por jogo e 87% de sucesso nos dribles.

No que diz respeito ao aspecto defensivo o garoto não deixou a desejar, vencendo 54% dos seus duelos contra adversários. A média é de quase uma interceptação por jogo e nenhum erro que resultou em finalização perigosa ou gol para o adversário.

Futuro garantido?

Sendo efetivo em todos os terços do gramado, teve recentemente seu contrato renovado até 2025. Tem tudo para ser bem sucedido na sua carreira pelos Blues, que guarda um histórico de excelentes laterais direitos como Branislav Ivanovic e César Azpilicueta.

Fikayo Tomori

Além de Reece James, outro jogador que recebeu oportunidades sob o comando de Lampard é Fikayo Tomori. O zagueiro de 22 anos ingressou no clube aos oito anos de idade e sua estreia no time principal aconteceu nos minutos finais da temporada 15-16 contra o Leicester City, substituindo Ivanovic.

Nas temporadas seguintes, Tomori foi emprestado a diversos clubes ingleses passando por Brighton & Hove Albion, Hull City e, por último, Derby County, sob o comando de Frank Lampard.

Nessa temporada, reintegrado ao elenco principal, Tomori tem alternado entre a titularidade e o bancos de reservas. Às vezes, sequer é relacionado. Essa rotatividade não é total demérito do jogador, visto que Lampard ainda procura estabelecer suas peças titulares para a defesa.

Mapa de calor de Tomori

Tomori não costuma ficar preso no sistema defensivo (Foto: Sofascore)

Nas suas 21 partidas, Tomori posicionou-se sempre pelo lado esquerdo da zaga, mesmo sendo destro.

Números apontam necessidade de melhora

Na Premier League, o jovem defensor soma por jogo 1.9 dividas, 1.5 interceptações, vence 70% dos duelos pelo chão tem 87% de precisão nos seus passes. Tomori ainda carece de uma evolução física, um melhor controle de bola e mais solidez defensiva na marcação.

Ele enfrentará ótimos atacantes pelo Chelsea e precisa aprimorar seu futebol se almeja fazer uma carreira longa no time Londrino. Ainda sim, mostrou-se mais seguro que Kurt Zouma e Andreas Christensen quando foi exigido.

O defensor conta com uma excelente velocidade e agilidade à seu favor e deve buscar desenvolver suas principais características enquanto permanecer no clube. Terá bastante tempo para isso, já que tem contrato até o meio de 2024.

Andreas Christensen

Outro zagueiro que encheu de expectativas os torcedores dos Blues foi Andreas Christensen. O dinamarques chegou no Chelsea em 2012, com 16 anos, sem custos junto ao Brøndby IF para integrar o sub-18. Foi somente em 2015, aos 19 anos, sob o comando de José Mourinho, que Christensen estreou pelo clube na Premier League.

Na temporada seguinte o jovem, considerado uma estrela dinamarquesa, foi para o Alemanha por empréstimo junto ao Borussia Mönchenglaebach. Na Bundesliga o garoto logo se estabeleceu no time principal do M’Gladbach e foi peça fundamental na classificação para a Liga dos Campeões.

Após dois anos de desenvolvimento exponencial do campeonato alemão, Christensen, ainda jovem, retorna ao Chelsea para integrar o elenco principal.

Mapa de calor Christensen

Christensen atua pelo lado direito da defesa (Foto: Sofascore)

Desde então Christensen não correspondeu às expectativas depositadas nele, e não foi por falta de oportunidades. Somente na liga nacional, foi titular em 44 jogos e esteve próximo de completar 4000min em tempo de jogo ao longo de três temporadas. Durante esse período, o zagueiro destro atuou a maioria de seus jogos pelo lado direito da defesa do clube londrino.

Sinal amarelo para Andreas

Na atual temporada, já atuou em 20 partidas, 15 destas na Premier League como titular. Assim como todos os zagueiros do elenco, alternou bastante entre a titularidade, o banco e a lista de não relacionados.

A ausência de imposição física e fraqueza em duelos aéreos são as principais pontos negativos do atleta. Apesar disso, conseguiu se sair bem em duelos terrestres, sendo bem sucedido em 75% deles. Também teve boa saída de bola e precisão de passe, com excelentes 94% de acerto no seu próprio lado do campo.

Por isso, Christensen precisa desenvolver-se como jogador para figurar mais vezes no time titular sobre o comando de Frank Lampard. O dinamarquês de 24 ainda tem dois anos de contrato e muito futebol para mostrar a fim de se estabelecer no clube.

*Dados dos jogadores foram retirados dos sites Sofascore.com, Ogol e site oficial do Chelsea.

Pedro Castro